diabetes

Muito do que tem sido dito pelo seu médico sobre diabetes, não é  verdade. Há muita desinformação circulando sobre a epidemia de diabetes, onde as fontes de informação parece ser confiável.

A grande maioria dos diabéticos não têm idéia de como reverter esta doença e até mesmo muitos deles nem sequer sabem que podem reverter isso. Eles acreditam que seu destino está selado e que a única coisa que podem fazer é apenas o “controle”. Mais de 50 por cento dos diabéticos tipo 2 nem mesmo perceberam  que eles têm diabetes.As taxas de diabetes tanto para adultos como para crianças está crescendo desordenadamente e um entre 4 Americanos tem diabetes ou pré-diabetes.

Infelismente,por seguir os conselhos médicos convenionais,voce poderia ficar no caminho rumo a uma vida  ameaçada por problemas de saúde,e até mesmo ter uma morte prematura.

ESTAMOS EM MEIO A UMA EPIDEMIA DE DIABETES.

As últimas estatísticas indicam que atualmente nos Estados Unidos existem mais de 24 milhões de pessoas que foram diagnosticadas com diabetes,o que representa 8% da população total.

No Brasil não é diferente.

No entanto,o quadro é ainda mais assustador quando se trata da prevalência do pré-diabetes(glicemia de jejum alterada)

Quase 26% dos adultos maiores de 20 anos e mas de 35% dos adultos mais velhos(60 anos ou mais)são pré-diabeticos.No total  isso equivale a 57 milhões de Americanos caminhando por aí com pré-diabetes,somando-se ao 24 milhões que já adquiriram a diabetes.(pesquisa feita nos Estados Unidos).

Isso significa que  um em cada quatro Americanos têm quadro de pré-diabetes ou a doença plenamente desenvolvida.

O diabetes tipo 2,não só é completamente evitável,como pode ser curada,desde que  voce esteja disposto a fazer algumas mundanças simples e baratas,do seu estilo de vida,o que vai restaurar a sua sensibilidade a insulina e a leptina.

DIABETES TIPO 1 E TIPO 2:QUAL A DIFERENÇA ?

A diabetes(também conhecida como diabetes mellitus) é uma enfermidade crônica tradicionalmente caracterizada pelos altos níveis de glicose no sangue(níveis elevados de açucar no sangue).

A do tipo 1 se chama  diabetes  insulino  dependente  (tambem conhecida como diabetes juvenil),já a do tipo 2 se conhece como diabetes não  insulino  dependente.

TIPO 1 : Diabetes “Insulino Dependente”.

Na diabetes tipo 1, o seu próprio sistema imunológico destrói as células do pâncreas que produzem insulina, resultando em uma deficiência completa do hormônio da insulina. Esta deficiência de insulina é a razão por que o diabetes tipo 1 é conhecido como “dependente de insulina” – porque na maioria dos casos  os diabéticos tipo 1 precisam de insulina adicional administrada.

Diabetes tipo 1 é rara, afetando apenas cerca de um em cada 250 americanos. Ela se desenvolve normalmente antes dos 20 anos. Não se conhece   nenhuma cura ainda.

Contudo, pesquisas  recentes  demonstraram que o nosso costume de  evitar o sol, desempenha um papel muito importante no desenvolvimento de diabetes do tipo 1, e quanto mais a leste,mais distante da linha do Equador, maior será o risco para esta doença.

As mulheres grávidas podem ajudar a reduzir o risco de seus filhos desenvolverem diabetes tipo 1 otimizando seus níveis de vitamina D antes e durante a gravidez.Tem sido demonstrado que a vitamina D suprime certas células do sistema imunológico que poderiam desempenhar um papel importante no desenvolvimento desta doença.

TIPO 2: Diabetes “não Insulino Dependente”

 A diabetes Tipo 2 é  a forma mais comum da doença, que afeta 90 a 95 por cento dos diabéticos e é completamente evitada e quase 100 por cento curável.

Se você tem diabetes tipo 2, seu corpo está produzindo alguma insulina, mas não é capaz de reconhecê-lo e usá-lo corretamente. Este é um estágio avançado de resistência à insulina.

Dada a sua insuficiente de insulina, o açúcar não pode entrar em suas células e em vez disso se acumula no sangue, o que causa muitos problemas. Esta é a razão pela qual os diabéticos têm níveis elevados de açúcar no sangue.

Os sintomas da diabetes tipo 2 incluem:

  • Muita sede
  • Com muita fome (mesmo depois de comer)
  • Náuseas e possíveis vômitos
  • Ganho ou perda ou peso
  • Irritabilidade cansaço
  • Visão turva
  • cicatrização lenta
  • Infecções frequentes (urinária, vaginal, pele)
  • dormência ou formigamento nas mãos e pés

Medicamentos e suplementos não são a resposta para o diabetes tipo 2, o que precisa ser feito é  restaurar a sensibilidade à insulina e leptina.

 DIABETES NÃO É UMA DOENÇA DE AÇUCAR NO SANGUE.

Diabetes é uma doença de insulina e sinalização da leptina, não de açúcar no sangue, por isso o tratamento convencional fornecido pela comunidade médica não está  chegando a lugar nenhum.

Além de diabetes, níveis elevados de insulina estão relacionados a uma série de doenças, incluindo:

  • Doença cardíaca
  • Doença vascular periférica
  • Derrame cerebral
  • Pressão alta
  • Câncer
  • Obesidade

Diabetes, como qualquer outra doença crônica, é causada pela falta de comunicação celular.

LEPTINA: O ELO PERDIDO ENTRE OBESIDADE E DIABETES?

A leptina é um hormônio produzido em células de gordura.

Uma das principais funções da leptina é para regular o apetite e o peso corporal. Ela diz a seu cérebro quando comer, quanto comer e, mais importante, quando parar de comer. A Leptina tambem diz ao cérebro o que fazer com a energia que você tem. A leptina é em grande parte responsável pela exatidão da sinalização da insulina e se deve ou não tornar-se resistente a ela.

A única maneira conhecida para restaurar a sinalização da leptina adequada (e insulina) é através de uma nutrição adequada.

Quando aumenta o açúcar no sangue, a insulina é liberada, e esta é responsável por armazenar a energia extra, para quando for necessário no futuro. O efeito da insulina para baixar o açúcar no sangue não é mais do que um “efeito secundário” deste processo de armazenamento de energia.

É por isso que tratamentos para a diabetes que se concentram exclusivamente na redução de açúcar no sangue pode realmente agravar o problema da falta de comunicação metabólica em vez de corrigi-lo.

Tomar insulina é uma das piores coisas que pode fazer para o diabetes tipo 2, e que, eventualmente, tudo o que vai fazer é agravar a resistência à insulina e leptina.

A FRUTOSE,UMA DAS PRINCIPAIS CAUSAS DE OBESIDADE E DIABETES

A presença de grandes quantidades de frutose na dieta ocidental atual é uma força motriz por trás da epidemia de diabetes.

O açúcar branco  é 50% de frutose e  50% de glicose, e os dois tipos de açúcar são metabolizados de forma muito diferente. Quase todas as células no seu corpo são projetados para usar a glicose como energia, especialmente as células cerebrais, no entanto a frutose é dividida em uma variedade de toxinas que podem ter efeitos devastadores sobre a sua saúde.

A frutose tem os seguintes efeitos metabólicos adversos:

  • A frutose não estimula o aumento da leptina, então sinais de saciedade são suprimidas.
  • A frutose aumenta a insulina e triglicéridos, que reduz eficazmente a quantidade de leptina que atravessa a barreira sangue-cérebro. Isto interfere com a comunicação entre leptina e hipotálamo. Seu cérebro sente fome faz você comer mais.
  • A frutose não suprime a grelina como faz a glicose. A grelina é o “hormônio da fome”, que faz você querer mais comida.

Tudo isso também afeta a compulsão alimentar e excesso de peso, colocando-o no caminho para diabetes.

Eu recomendo manter o consumo total de frutose inferior a 25 gramas por dia.

No entanto, seria bom que a maioria das pessoas limitassem a sua ingestão de frutose a 15 gramas ou menos, uma vez que é praticamente garantido que voce consuma  frutose de fontes “ocultas”, pois quase todos os alimentos processados que voce comer já o contém.

Isso inclui frutas, com o qual se deve medir cuidadosamente o consumo para garantir que não se ultrapasse o limite de frutose.

Drogas para o diabetes não cumpre com o objetivo e também são perigosos.

Independentemente do que você possa  ter ouvido, você não pode tratar a causa  principal da diabetes com medicação.

Tomemos por exemplo Avandia.( maleato de rosiglitazona)

O que faz Avandia é devolver aos seus pacientes mais sensíveis à sua própria insulina, ajudando a controlar os níveis de açúcar no sangue. Na verdade, a maioria dos tratamentos para a diabetes tipo 2 utilizam medicamentos que aumentam ou diminuem o açúcar no sangue. Avandia, por exemplo, reduz o açúcar no sangue, aumentando a sensibilidade à insulina do fígado, assim como as células de gordura e músculares.

O problema é que a diabetes não é uma doença do açúcar no sangue, como expliquei anteriormente. Portanto, as drogas que se concentram em tratar os sintomas de níveis elevados de açúcar no sangue, em vez de enfrentar a causa principal, na maioria dos casos, eles estão condenados ao fracasso.

Não só isso, as drogas como o Avandia têm efeitos colaterais muito perigosos, incluindo problemas cardíacos que têm, literalmente, matado milhares de pessoas. Na verdade, Avandia tem sido associada a um aumento de 43 por cento no risco de ataque cardíaco e 64 por cento maior risco de morte cardiovascular em comparação com os doentes tratados com outros métodos.

A boa notícia?

Quase 100 por cento dos diabéticos tipo 2 pode ser curada com sucesso sem a utilização de drogas.

PREVENIR E REVERTER O DIABETES EM 6 PASSOS.

Aqui estão os meus seis passos que voce deve seguir  para aumentar a sensibilidade à insulina e leptina, reduzindo assim as chances de desenvolver diabetes ou revertê-la se você já tem a doença.

EXERCÍCIO.

O exercício é um fator chave e sem ele, é pouco provável que sejam alcançados  o controle desta doença devastadora. É uma das maneiras mais rápida e potente para reduzir a resistência à insulina e a leptina.

Se você não tem certeza de como começar, eu recomendo que leia o meu programa de exercícios com dicas e guias. Também é muito importante trabalhar para incluir alguns exercícios de pico.

Eliminar grãos e açúcares, especialmente a frutose

Uma das principais razões para o fracasso do tratamento convencional para diabetes nos últimos 50 anos tem a ver com os erros de recomendações alimenticias.A Frutose e os grãos são os principais responsáveis pelas reações adversas do seu corpo à insulina.

Você deve remover todos os tipos de açúcares e grãos, até mesmo grãos “saudáveis”, como grãos orgânicos germinados. Isso significa evitar todos os pães, massas, cereais, arroz, batata e milho (que é realmente um grão).

Pode até ser necessário evitar frutas até que você tenha os seus níveis de açúcar no sangue sob controle.

Coma de acordo com seu tipo nutricional

Fazer exercício e evitar grãos e açúcares pode não ser suficiente, a menos que voce balanceie a proporção de proteínas, carboidratos e gorduras de acordo com a sua bioquímica genética específica. O primeiro passo é descobrir o seu tipo nutricional, que por sua vez dá informações sobre a relação ideal entre proteínas, carboidratos e gorduras.

 Monitore seu nível de insulina em jejum

 Isto é tão importante como o nível de açúcar no sangue com o estômago vazio. O seu nível de insulina em jejum deve ser entre 2 e 4. Quanto maior o nível, pior a sua sensibilidade à insulina.

Otimizar sua vitamina D

Curiosamente, otimizar seus níveis de vitamina D não só trata o diabetes tipo 2, como mencionado acima, mas pode eliminar o risco de a criança sofrer de diabetes tipo 1 se estiver grávida. Pela mesma razão, é também muito importante que os bebes recebam quantidades adequada de vitamina D nos primeiros anos de vida.

Geralmente, você pode fazer isso, expondo a sua pele para um grande quantidade de luz solar (ou cama de bronzeamento seguro) regularmente durante todo o ano. Seu corpo pode seguramente criar até 20.000 unidades de vitamina D por dia através da exposição direta aos raios UV. Se você não está recebendo uma exposição regular do sol em grandes quantidades pode ser necessário cerca de 5 a 20.000 unidades de vitamina D3 oral diária.

No entanto, se nenhuma dessas opções é viável para você, então você poderia usar um suplemento de vitamina D3 oral. Mas lembre-se, que se você optar por tomar um suplemento, é essencial verificar os níveis  regularmente em um bom laboratório para garantir que esta dentro do intervalo terapêutico, que é de 60 a 80 ng / ml.

Tomar probióticos

Seu intestino é um ecossistema vivo, cheio de boas e más bactérias.

Muitos estudos têm mostrado que as pessoas obesas têm diferentes tipos de bactérias que as pessoas magras. Quanto mais bactérias boas  você tiver, mais forte será o seu sistema imunológico e em geral seu corpo funcionará melhor.

Felizmente, otimizar sua flora intestinal é relativamente fácil. Você pode preencher o seu corpo com boas bactérias pela ingestão de alimentos fermentados (tais como nata, queijo cru orgânico, miso e legumes cultivados) ou tomar um suplemento de probiótico  de alta qualidade.

fonte: http://media.mercola.com/assets/html/mercola/citation.htm

 

Entre em Contato Conosco Para Mais Detalhes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s